Follow by Email

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Assombrado: Contos Assombrados: O Viajante

Assombrado: Contos Assombrados: O Viajante: – Eu acredito em disco voador, me disse com convicção o senhor Lau. – Como assim? Perguntei curiosa. – É, acredito em disco voador e n...

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

DESEJOS E MENTIRAS


Na esquina havia um boteco improvisado. João Carlos cuidava do pé-sujo. Fazia cachorro-quente, vendia cerveja gelada e por fora fornecia maconha e cocaína, batizadas, mas muito apreciadas pelos incautos da madrugada. Apesar de tudo, tinha uma clientela grande e fiel. A rua suja, mal iluminada, fedendo a vômito, esgoto e perfume barato, abrigava prostitutas e ladrões.
Agneta chegava quase sempre depois das onze da noite. Dividia a esquina com outras três putas: duas irmãs adotivas que pintavam o cabelo de loiro, quando a grana permitia, e um travesti, vindo do Maranhão. A bicha só sabia reclamar da mãe velha, bêbada e doente que tinha que sustentar. Ali fizeram amizade.
– Ei Joca, me dá um teco ai? Te pago com boquete, que tal? Agneta tentava seduzir o pobre João Carlos, o Joca para os íntimos. O vendedor já beirava os 60 anos e tinha família enorme pra sustentar.
– Dá não, respondia. Posso adiantar um dog, quer?
– Que cachorro o quê? Quero é cheirar, encher a fuça de pó, rebatia Agneta. E ao Joca restava sorrir meio sem graça, quase amarelo.
Naquela noite, um carro caindo aos pedaços dobrou a outra esquina e dentro dois homens. Pareciam recém-saídos do trabalho em uma obra. Olhavam em volta. Tinham as mãos sujas de terra, cimento e cal. Passaram pelo ponto devagar. Pararam logo em seguida e  Andreza, ou melhor, Paulo José, a bicha do Maranhão, não perdeu tempo e se jogou na janela do carro. 
– E ai? Programinha à “trêixxx”? Faço gostoso, enfatizou.
– Não dona, a gente quer conversar com a magrela ali do canto.
Agneta sentiu todos os olhares voltados para ela. Cabelo preto, pele branca, bota de salto alto, batom exagerado e magérrima. Era ela.
– Vamos? Disse Agneta sem muita convicção.
– Vamos princesa! Em coro, responderam os dois. E foram.
O hotel era o mesmo de sempre. Quarto 520. Agneta já conhecia o gerente, o porteiro, a camareira. Já tinha transado com todos. Menos com o cozinheiro, que também era bicha e cagava pra sedução da gótica magricela que se insinuava toda vez que ia tomar café da manhã. Ocasião em que ela sempre comia dois pães com mortadela e um copo de café com um dedo de leite. Pedia um suco e ela e Paulo José, a travesti Andreza,, riam muito da tentativa do cozinheiro de provar que o “Tang” era suco natural.
Foi nesse hotel sujo e barato que ela chegou com os dois homens.
No quarto eles contaram que eram irmãos. Agneta foi sedutoramente tirando a roupa quando um deles deu-lhe um tapa na cara. Foi tão inesperado que ela desequilibrou e caiu na cama. Os dois foram pra cima dela, bateram novamente. Agneta não chorou, não reclamou, sorriu e disse:
– É isso que vocês querem? Então batam com mais força. Vamos lá! Disse com um sorriso safado. Os dois ficaram sem ação, como se o jogo tivesse acabado de se inverter. Agneta continuou provocando e eles comeram a prostituta barata como se cometessem um estupro. Com a diferença de que ela estava se divertindo mais do que eles.
Agneta gritava e gemia feito louca. Ela percebeu que os homens estavam surpresos. A impressão era de que aquilo nunca tinha acontecido antes. Ela ficou de quatro, se empinou e pediu para os dois entrarem nela ao mesmo tempo. Os dois irmãos, incrédulos, suados e babando, gozaram sem camisinha. Rapidamente. Ao terminarem o serviço apenas vestiram as calças e saíram, em silêncio.
Agneta ainda controlava o fôlego quando eles deixaram o dinheiro em cima da mesinha ao lado da cama. Bateram a porta. Agneta limpou o sangue no canto da boca. Eles bateram com muita força. O olho estava inchado. Ela fumou o último cigarro, cheirou duas carreiras da coca batizada do Joca e saiu. A gótica maltrapilha voltou para o ponto.
Lá encontrou Cassiana, uma das irmãs loiras, a gorda, e perguntou se ela tinha cliente:
– Nada. A Catilene – a irmã bonita – saiu com um playboy que disse que não tinha dinheiro pra nós duas, respondeu a colega mordendo o lábio e arrumando o cabelo.
– Cassiana, quanto você cobra? A menina deu o preço, com e sem camisinha, com e sem anal.
Agneta falou:
–  Te pago o dobro, vai comigo, agora? E ela foi.
Voltaram ao hotel, ao quarto 520 que ainda cheirava a sexo e cigarro. Transaram até de manhã. Nenhuma das duas cansou. A cocaína fazia a parte dela. Em meio à farra, Cassiana perguntou quanto Agneta cobrava.
– Só por curiosidade, explicou a gorda.
– Pra você, dou de graça! E voltaram as duas a se comer. Agneta gemia, de prazer e de dor, seus lábios estavam ainda mais roxos.  
Cansadas, dormiram. Agneta acordou com o celular tocando dentro da bolsa. A boca seca conseguiu gritar:
– Caralho! Estou atrasada. Tenho que ir embora! Acorda Cassiana.
Agneta vestiu a roupa, saiu correndo pelo hotel, o carpete velho levantava poeira. Ela tropeçou numa ponta da escada e quase quebrou o pé. A outra puta corria atrás com sapatos na mão e dobrou a esquina antes de Agneta conseguir entrar num carro e sair às pressas.
Joca guardava o dinheiro e o espólio de mais uma madrugada fria quando viu um carrão passar correndo. Dentro do tal carrão, Agneta dirigia nervosa e ao mesmo tempo tentava trocar o casaco. Joca estranhou “nunca pensei que essa puta gótica tivesse um carro desses”, pensou Joca. “Dog grátis nunca mais”, sentenciou.
Ao mesmo tempo os dois homens da noite anterior, os tais que comeram Agneta,  faziam o que realmente sabiam fazer: pediam esmolas no semáforo da rua principal. Agneta parou no sinal. Os dois reconheceram a puta e enfiaram a cara no vidro aberto do carro.
– Acho que você gostou de sentir nós dois, hein, dona? Comentou um deles.
– Ah merda, saiam da frente, gritou Agneta enquanto acelerava o carro.
Ela conseguiu sumir na rua em alta velocidade. Os dois homens quase foram atropelados, chamando a atenção de quem estava por perto.
A respeitável doutora Agneta chegou atrasada no hospital onde era a médica principal do ambulatório. A secretária estranhou o cabelo desgrenhado e os enormes óculos escuros, que tentavam esconder o rosto pálido e machucado. Optou não comentar nada, a doutora Agneta era muito mal humorada. Herdeira de um dos homens mais ricos da cidade trabalhava no hospital público só por diversão, ou punição a si mesma - como gostava de dizer. E por prazer mantinha os programas como principal prostituta do boteco do Joca.
O dia passou normalmente, apesar da dor depois da surra. Agneta não pensou nem em Cassiana, nem nos dois homens sujos de cal.
Foi para casa descansar e no outro dia conseguiu chegar no horário correto. O expediente começou com a Dra. Agneta lendo o jornal enquanto comia croassant e bebia capuccino na cafeteria:  "Polícia finalmente encontra os irmãos que torturavam, esquartejavam e enterravam as vítimas em lápides improvisadas de cimento e pintadas de cal. As vítimas eram prostitutas que apanhavam até a morte. Os homens foram denunciados por um vendedor de cachorro-quente que reconheceu os dois quando tentavam roubar o carro de uma importante médica da cidade".
Agneta engasgou com o café e do lábio escorreu mais um fio de sangue.

FIM

ORIGINAL PUBLICADO NO BLOG BAR DO ESCRITOR

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

eu no jornal da minha terra

se tem uma coisa que me deixa emocionada é ver meus trabalhos espalhados por ai. e quando sai na página do jornal da cidade onde nasci, é de morrer de orgulho. vejam ai. jornal meridional, de arroio grande. eu, com orgulho. 


foi um texto que saiu no blog do meu interior. aqui:
http://www.domeuinterior.com.br/aprendendo-sobre-diferencas/


quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

*A NOITE MISTERIOSA DOS MORTOS-VIVOS*

Peguei no sono novamente. E mais uma vez fui sugado para um mundo de trevas e medo. Como das outras vezes, fazia frio. Um nada que machucava a alma. Não sei se estava de olhos abertos ou fechados. A escuridão era tamanha que tanto fazia enxergar ou ser cego. E eu ali novamente. Mas onde é ali? Estou perdido no silêncio. Um vazio infinito. Medo. Pavor e solidão. Uma solidão tão dolorida, que só restou chorar. Fiquei paralisado, como que suspenso no ar. Tentei ouvir alguma coisa, qualquer coisa. Nada.
Até que ao longe ouvi um sussurro. Tentei falar, mas minha voz não respondeu. Fiquei naquele breu o que pareceu uma eternidade. Aquele limbo estava me matando. Se eu pudesse sentir mais alguma coisa além de medo seria meu suor. Tenho certeza que escorria por todos os poros do meu corpo. Corpo? Eu não sentia meu corpo. Nadava no nada.

Quando o mais puro terror tomou conta de mim, pensei que iria morrer sufocado. Não havia ar. Puxei uma respiração que imaginei ainda ter e não veio. Sufoquei. Entrei em completo surto e acordei.

Acredito que gritei ao acordar. Naquele ônibus noturno, pequenos pontos de luz iluminavam o interior do veículo. O carro chacoalhava de um lado para o outro numa velocidade acima do razoável. E ninguém acordou. Somente eu. Ou pelo menos eu não ouvia ninguém. Como tentava me recuperar do maior medo que já havia passado na vida, nem percebi que ao meu lado, o banco antes ocupado por um menino chorão, estava vazio. A mãe do garoto já tinha tentado de tudo para acalmar a criança. Cantou, brincou, brigou, e por fim meteu uma mamadeira nas mãos do menino, que gordo, se engalfinhou naquilo. Nem a mãe, nem o garoto estavam por ali.

Sequei o suor da testa, tentei arrumar os cabelos que despenteados deveriam estar dando a impressão de que eu era um maníaco endiabrado. Se fosse possível um espelho, eu veria a própria face da morte em meu rosto. Minha língua seca grudou no céu da boca. Meus lábios estavam rachando. Minha roupa amarfanhada exalava o cheiro forte do medo. Limpei a garganta e olhei ao redor. Não só os bancos ao meu lado estavam vazios como os da frente e os de trás. Levantei subitamente com o susto de não ver ninguém. E o pavor mais uma vez tomou conta de mim. Eu estava sozinho naquele ônibus. Sozinho? Imediatamente fui procurar o motorista que não estava lá. Me vi em alta velocidade em um ônibus desgovernado dirigido por ninguém. Quase gritei. Corri até o volante na tentativa de colocar o carro no rumo, mas só consegui derrapar e bater com força nas rochas que ladeavam a estrada. Com forças não sei de onde, deixei o ônibus em linha reta. Aos poucos os freios foram parando aquela enorme máquina vazia. Apenas a lua dava cor à estrada. Escuridão que também tomava conta de mim. Quando finalmente estacionei não tive reação. O que havia acontecido? Onde estava todo o mundo? Andei por entre os bancos e só vi os objetos pessoais dos passageiros, alguns largados de qualquer jeito. Tão de qualquer jeito que muitos se quebraram. Alguém levara todos embora? Mas como? Foram todos abduzidos? Não, seria uma explicação muito fora da imaginação coerente de um homem letrado como eu.

Desci do ônibus e fui andando estrada à fora, sem escutar uma alma. Estava frio. Ato contínuo, me encolhi. Um peso caiu sobre mim, como se mil corpos sentassem em meus ombros. Andei devagar, olhando para todos os lados. Apressei o passo, ensaiei gritar, chamar alguém, mas foi inútil. O ar estava rarefeito e os sons prejudicados. Ao longe vi uma luz tremulante. Uma tocha? Sim. Fogo. Corri em direção a ele. Nem percebi que saia da estrada e me embrenhava numa floresta fechada. O mato alto batia em minhas pernas. Feridas se abriam. Lanhos não muito profundos deixavam um pequeno rastro de sangue por onde eu passava.

Fui em direção à luz sem ao menos raciocinar. O fogo se aproximava e percebi que não era apenas uma tocha, mas várias. Muito próximo do clarão que as chamas formavam parei minha corrida. Tomei fôlego, minhas pernas doíam, meus braços, meus ossos, músculos. Tudo em mim parecia moído. E a dor era excruciante. Respirei e olhei com mais atenção ao que se passava na clareira. E ai eu morri. Ou praticamente. Todas as pessoas que se perderam no ônibus estavam ali, mas não eram mais humanas. Não se podia chamar aquilo de humano. Eram uma espécie de mortos-vivos.

Desligados do mundo, alheios, sangrando, babando, machucados e imóveis. Seguravam as tochas e olhavam o além com olhos rasos, furados, carcomidos, mortos.

– Meu Deus, eles estão mortos, pensei comigo mesmo. Até o menino chorão. Depois de alguns segundos eternos, desnorteado fui andando para trás devagar, sem nem respirar, sem fazer barulho, sem ao menos piscar. Eu não conseguia ter pensamentos coerentes. Tudo que se passava na minha mente era que tinha que voltar para a estrada, para o ônibus. Precisava ir embora dali e me salvar.

Zumbis. Como? Por quê? E por que não eu? Não entendia. Andei de ré até uma distância que julguei suficiente para começar a correr sem ser notado. Mas o azar fez com que eu pisasse forte em um galho velho. Foi o suficiente para um de aqueles monstros encontrar meus olhos. Em nossa troca de olhares eu gelei. Senti todo o ódio, medo, fome, crueldade que tomava conta daquele corpo. E ele gritou. Na verdade o monstro grunhiu. E todos eles olharam em minha direção.

Corri. Corri como nunca, como um louco. Corri como se corre da morte. Sentia aquelas bestas nos meus calcanhares. Bati em árvores, pisei em poças de água e lama. Lágrimas molhavam meu rosto já sujo de terra daquela maldita floresta. A noite parecia estar ainda mais fechada. Cheguei à estrada. Fui em disparada em direção ao ônibus e ao chegar na porta do carro ela estava fechada. Empurrei com toda a força que ainda achei em meu corpo. Uma daquelas mãos cadavéricas conseguiu me alcançar. Eu lutei para jogar longe aquele saco de ossos, mas não consegui. Estava desesperado, até que num chute abri a porta e cai ensandecido me esparramando pelo piso. Fechei a porta de qualquer jeito. Empurrando com força enquanto os dedos daqueles mortos insistiam em lutar. Finalmente a porta trancou.

Pulei para o banco no motorista e tentei desesperadamente dar a partida, mas a bateria estava gasta. Girei a chave e nada. Continuei tentando. Um mar de gente semiviva rodeava o ônibus. De todos os tamanhos, idade, sexo. Batiam famintos nas janelas. Quase rosnavam. Se jogavam nas laterais do ônibus e se desfaziam em podridão. Uma janela quebrou. Meu pânico só aumentava e finalmente o motor resolveu funcionar. Sai em alta velocidade. Atropelei o que vinha pela frente. O menino chorão explodiu no vidro da frente.

Sangue escorria pelos vidros. Eu precisava sair dali. Dirigi quilômetros cegamente tendo a lua para iluminar meu caminho. Perto de uma estalagem, um hotel velho, parei. Mas um sentimento de alerta já tomava conta das minhas decisões. Desci do ônibus com cautela. Corri para trás da parede dos fundos do prédio, e espiei pela janela. Ninguém. Entrei pela portinhola protegida por uma tela e atrás do balcão de atendimento encontrei uns óculos e uma bíblia caídos no chão. Quem quer que por acaso estivesse por ali tinha abandonado tudo e rapidamente. Ou se escondeu ou virou monstro.

As luzes estavam acesas o que facilitou minha busca por explicações, comida, qualquer coisa. Encontrei uma garrafa de água pela metade e rasguei minha garganta ao engolir em grandes goles o que restava.
A sala da recepção do hotel era minúscula. Um corredor escuro se abria logo ao lado da máquina registradora. Todas as portas fechadas. Eu não queria saber o que havia atrás delas. Mas precisava. Na primeira porta que abri encontrei um quarto completamente sujo de sangue. Respingos de restos humanos caiam do teto. Sangue pingava e um cheiro de podridão tomava conta do lugar. Fechei a porta imediatamente, com náuseas difíceis de controlar.

Fui para o outro quarto e o único cheiro era o de mofo que já estava lá antes mesmo de se pensar na existência de mortos-vivos. No terceiro quarto, também vazio, só olhei de relance. Ao fechar a porta ouvi lá dentro um som abafado. Um baque surdo. Meu coração acelerou de tal forma que veio até a boca. Abri novamente a porta e acendi as luzes. “Tum”. De novo aquele barulho dos infernos. Fui até o guarda-roupa lentamente. Como que esperando que pulasse lá de dentro o maior e mais sanguinário dos monstros de todos os tempos.

Quando minha mão encostou na maçaneta do armário, novamente o “tum”. Pulei e olhei para trás. Vi um rosto me encarando. Gelei. Demorei a perceber que era a minha própria figura refletida em um espelho. Eu estava sujo de sangue. Tomado pelo medo. Voltei a me concentrar no armário. Num fôlego só abri a porta e lá estava ela. Uma menina de pouco mais de oito anos, encolhida e abraçada a um urso velho e encardido. O barulho era ela tentando abrir a porta.

Nos encaramos e ela chorava. Me inclinei diante dela e menti:

- Vai ficar tudo bem, disse calmamente.

Ali mesmo eu fiquei. Esqueci de ver o último quarto no final do corredor. Tranquei a porta frágil do quarto onde estava. Escorei uma cadeira na tentativa de dificultar o que quer que forçasse a entrada. Puxei a menina de dentro do armário. Tentei secar as lágrimas dela, mas ela não deixou. Perguntei se estava sozinha e ela não respondeu.

O banheiro imundo de secreções ainda humanas e cheirando a mijo tinha toalhas encardidas penduradas. Peguei uma daquelas e limpei meu rosto. Lavei meus olhos, minhas mãos. Eu estava muito machucado e sujo.

A menina sentou em uma das camas e estava em estado de choque. Eu não ouvi mais nada. Nem lá fora, nem aqui dentro. Revistei o quarto todo, e achei estes papéis na pequena escrivaninha do canto. Escrevo neste momento minha história, sentado no chão, sem saber se alguém vai conseguir sobreviver a isso tudo. Esta noite eu preciso esticar minhas pernas, curar minhas feridas, mas não posso cair no sono. Se eu dormir corro o risco de parar mais uma vez naquele local onde mora o medo. Onde flutuei sem ar na escuridão. Se bem que agora não faz a menor diferença. O medo está aqui comigo. Lá fora escutei um grito abafado. Eu e a menina nos olhamos e decidimos em silêncio deixar pra lá. Estamos cansados, famintos, em pânico. Somos um nada. Nos encolhemos. Ela na cama e eu aqui no chão. Vamos ficar assim até o dia amanhecer. Ai pensaremos no que fazer.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

do meu interior

no fim do ano passado um pessoal muito bacana me convidou para mandar um texto para um blog sobre cidades do interior. eu mandei logo uns 3 ou 4. eles ficaram com todos! o primeiro deles é esse ai. sobre a cidade onde eu nasci, sobre as diferenças sociais e sobre a infância numa cidade do interior. 
divirtam-se. é só clicar aqui=> 

http://www.domeuinterior.com.br/aprendendo-sobre-diferencas/

a propósito, isto é um quéque.

sábado, 11 de janeiro de 2014

*A BRIGA*


* texto baseado livremente em lendas, causos e folclore do norte do país. 

Depois do terceiro copo de tarubá já se sentia embriagado.  A bebida mais vendida no bar era feita por ali mesmo e tinha esse poder sobre ele. Assim, meio zonzo, foi até a mesa mais escondida. Sentou e ficou observando o ambiente. O dono da espelunca, seu Ribamar, corria de um lado para outro pra dar conta de atender a clientela. Última noite de lua cheia, o vai e vem era grande. Pegou mais um cigarro, e com as roupas amarrotadas e inteiramente molhadas de suor, o lobisomem não passou despercebido. Quase todo o  mundo que passava lançava um olhar de curiosidade.
– Quem é? Perguntou o famoso senhor Boto Pink Dolphin, também conhecido por Botinho.
 Detetive do sul, respondeu Ribamar entre dentes.
Botinho andava mal de saúde. A idade estava chegando, com ela muitas dores nas costas e nas pernas. O olhar cansado denunciava um mal ainda pior: estava apaixonado. As noitadas de festa e conquistas, cada vez mais escassas. Ele só pensava na amada. O dia amanhecia e nem queria voltar para casa. Naquela noite tomava uma bebida quente, coçava as tatuagens e esperava o tempo passar, meio encostado no balcão.
 Seu Botinho hoje tem festa na casa de Iaiá, vai não?
 Vou não Ribamar, vou ficar aqui mais um tantinho pensando nos cabelos de Iara, aquela ingrata. E assim passava mais uma noite a lamentar o amor não correspondido.
Já o tal lobisomem, o detetive do sul, continuava registrando o movimento. O lugar estava cheio de fumaça, dos cigarros, das comidas e das assombrações que davam o ar da graça sem se preocupar com a bagunça que causavam.
Neste momento chega o Bôita. Apelido que Boitatá ganhou dos mais íntimos. Bôita já entrou furioso com os primos.
 Eu já falei pra tia Zelina que ela tem que dar um jeito no Honorato e na Maria Caninana. Estão lá os dois brincando de “sou-maior-que-você” de novo. Conclusão: está o maior reboliço na praça, tem gente correndo pra tudo quanto é lado pensando que o mundo vai acabar, que o terremoto chegou. Já avisei. Não adianta. Ela mima demais aqueles dois e é nisso que dá.
Ribamar nem respondeu aos resmungos de Bôita. Estava ele próprio com problemas suficientes para resolver depois que o Saci sumiu com o estoque de petiscos do bar. Logo os clientes estariam famintos e pra comer? Nada. O Saci tinha feito das suas. Só não desapareceu com a bebida porque metade do bar ouviu aquela risadinha infame. Acabou então se entregando, mas antes quase ateou fogo na cozinha quando saiu pulando feito doido de lá de dentro. Ainda perdeu o gorro pelo caminho.
Gritos histéricos saíram da mesa próxima ao banheiro. É que o Caipora acabara de descobrir que a montaria dele era na verdade Matinta Perera. A velha tinha pregado novamente uma peça nele. Ficou furioso. A feiticeira fingira ser o porco que levou o indiozinho até o bar. Ele quase morreu de susto quando ela se revelou. Pior foi saber que tinha perdido o transporte de volta pra casa.
 Sua velha nojenta. Ainda faço você e seu assobio se perderem para sempre na floresta.
E lançou o olhar em brasas pra cima dela, tão violento que o vestido preto e já muito sujo de Matinta chegou a dar uma chamuscada, mas nada que tirasse o bom humor da bruxa. Caipora logo pediu uma cachaça e mais cigarros. Ficou num canto amuado.
Enquanto isso, o detetive pediu outra bebida. E já olhava o relógio desconfiado quando entra ela, deslumbrante, de vestido branco quase transparente, cabelos loiros longuíssimos, andar lânguido. Uma tristeza embelezava o rosto daquela mulher. Foi andando vagarosamente em direção a ele.
 Boa noite detetive, falou numa voz de tirar o fôlego. Ah esse sotaque espanhol caliente, pensou o detetive.
 Boa noite. Achei que tivesse desistido do encontro, comentou o detetive entornando o copo , já com ar de insatisfeito.
 Imagina, é claro que eu não isso por nada, seduzia a mulher.
Maria Chorona. La Llorona, a bela da meia-noite. Vinha direto do México para dar notícias desastrosas:
 O pessoal da neve me garantiu que é verdade a vinda de Big, comentou a loira já comendo algumas frutas que Ribamar achou escondidas longe do alcance do Saci.
 E quando será? Perguntou o lobisomem.
 Em breve. Assim que a última colheita de açaí terminar, respondeu. O velho Itaki já está informado e vai adiar ao máximo o fim do trabalho.
Curupira vai ficar furioso, pensou o detetive. Vamos ter que segurar o chefe à força, quase falou em voz alta.
 Está aqui, como o prometido, disse o lobisomem. E pagou a informação com o mais lindo colar de jade já feito naquelas bandas. - Veio direto do cofre de Muiraquitã. O safado do batráquio exigiu doze donzelas ao chefe, no ano passado, confidenciou.
Deslumbrada, a mulher deixou a mesa e foi embora.
Bem ali ao lado, Jurupari Júnior falava com uma moça tímida. Gritava, na verdade.
 Dona, eu já falei mais de um milhão de vezes, eu preciso falar com Tupã. Questão de vida ou morte. E um trovão cortou a noite.
O detetive não ficou para ouvir o final da conversa. A notícia de que Big estava chegando o deixou muito preocupado, afinal o gringo não brincava em serviço. Pé-Grande em pessoa estaria por ali em poucos dias. Viria para brigar por mais terra.  Queria invadir as florestas do Curupira pelo simples prazer de ter mais e mais. Estava na cara que aquilo não ai dar certo. Vai dar confusão, pensou.
O lobisomem saiu do bar apressado para dar as notícias ao chefe. Sem nem prestar atenção à lua que saia brilhante de trás das nuvens, atravessou a mata correndo. Com receio de se perder foi marcando as árvores por onde passava. Tinha medo da ira do patrão. A sorte foi que após dar a notícia da vinda do Pé- Grande, Curupira não prestou atenção em mais nada. Ficou nervoso, endiabrado. Seus cabelos mudaram imediatamente para um tom mais intenso que seus olhos de fogo. O duende caminhava de um lado para o outro, quase tropeçou nos pés virados. Arrancava os pelos de todo o corpo. O detetive nunca antes vira o chefe tão furioso.
 O que pensa aquele sasquatch? O que quer fazer nas minhas matas? Não está satisfeito em conquistar os territórios gelados e quer invadir meu lar? Vem pra cá infestar tudo com aquele cheiro horroroso insuportável? Praguejava. - Não. Nunca, nunca, gritava com ódio o Curupira.
O detetive perguntou ao chefe se precisava de algo mais. Foi dispensado. Achou o caminho de casa e foi descansar, apesar dos sussurros e assobios que o acompanharam durante toda a noite.
Na manhã seguinte, tudo parecia normal. Parecia. A floresta tremia todinha. Logo se pensou em briga na família Cobra Grande novamente. Mas Maria, Honorato e a tia Zelina foram os primeiros a surgir sem entender o que estava acontecendo. Eis que Big chegou antes do previsto. Veio derrubando árvores, pisando em tudo, deixando marcas pelo caminho.
Curupira logo chamou o exército que havia formado. Desde Tupã até ao Uirapuru, todos juntaram forças para defender a floresta. Big estava sozinho. Finalmente quando ficaram frente a frente, a Mula Sem Cabeça chegou correndo. Com ela vieram os pirilampos, as fadas, os hobbits, os elfos, até os trolls e as crianças estrangeiras de Avalon. Sem fôlego, a Mula gritava:
 Parem tudo. A Árvore da Vida está em perigo.  Os homens brancos estão chegando.
O silêncio tomou conta da floresta. Deuses, semideuses, duendes, cobras, lobisomem, mulas, animais, todos, todos congelaram. Ninguém sequer piscava. Esqueceram imediatamente as diferenças, as muitas línguas que falavam e olharam ao mesmo tempo para Curupira. Até o sasquatch recém-chegado ficou apavorado.
Foi assim que todos se uniram. Saíram em marcha em direção à clareira que abrigava a Árvore da Vida. A briga estava apenas começando. 

FIM 

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

*MATEMÁTICA*

não quero saber do seu 171
nem me preocupar com seu 4 e 20
a soma dos meus fatores não faz diferença 
na vida sou 1 e 1 somando 3 ou 4
quero sim ser seu sistema de numeração binária
quero ser sua equação exponencial
a álgebra do seu prazer
fazer de ti meu fibonacci
ser sua fórmula de delta
a raiz quadrada do seu tesão
a multiplicação fácil do seu coração
me faz seu número romano, seu número impar ou primo,
sua métrica, sua divisão de fração
não quero ficar no seu zero a zero
quero me virar nos seus 30
te sentir de 4
me enterrar no seu 69
e ser eternamente seu 42: a resposta para a vida, o universo e tudo mais.