Follow by Email

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

sobre férias e livros...

férias. uma pausa na loucura do dia a dia. para muita gente significa fazer aquela viagem dos sonhos (com horas sem fim em filas de avião, malas, horários e a necessidade urgente de ter que aproveitar cada momento como se fosse o último). para outros é a oportunidade de desfilar o  corpinho malhado (nem sempre tão malhado assim) nas praias embaixo desse sol de meu deus. seja lá o que for férias para você, para mim elas são sinônimo de sombra e água fresca. um bom tempo para me esbaldar no dolce far niente. ai resume-se a : comer, dormir, rir e beber. entre um e outro, dou uma pensada na vida, revejo bons e velhos amigos, renovo a alma e o coração. mas sem muita filosofia, basicamente me permito a ser eu mesma, em chinelos e cabelo pink. sem tempo de manteiga nos dentes, como diria o poeta. e nessa de dar um tempo de tudo e de todos, me entrego as alegrias de colocar a leitura em dia. trouxe 10 livros para ler nas férias . ainda me restam alguns dias e dois livros e meio. vai dar tudo certo. e já que tô falando em livros, posso dar minhas dicas de leitura? então vamos lá: o primeiro da folga foi sob a redoma, do stephen king. nem precisa dizer muito, né? king está todo lá. mas...sempre tem um mas...quem sou para criticar sk? de qualquer forma eu achei que o livro não é definitivamente um dos melhores dele...não sei. eu achei que ele deu soluções simplistas a questões complexas. também achei que se prendeu a conflitos que propositalmente levaram a um desfecho esperado. eu esperava mais. mas, são 954 páginas do mestre, então, claro que sempre vale a pena. vão fazer uma série baseada no livro. escolheram a maioria dos atores. eu sinceramente não tô gostando muito da seleção. em resumo é sobre uma redoma que se instala em cima de uma cidade e a partir dai nascem todos os conflitos  resultantes de um isolamento com o mundo. protagonista com ares de herói fracassado. personagens secundários bastante ricos, mas com algumas incongruências, por exemplo o primeiro vereador lá...que mudança radical de temperamento, né? e como assim um cara sai matando geral e ninguém vê? os maus são muito maus e os bons muito bons. acho que poderiam ter mais defeitos nos heróis e qualidades nos antagonistas. como eu disse, achei simplista muitas das soluções. mas vamos em frente. depois de um stephen king é difícil pegar outro livro e deslanchar. mas como já disse, os livros escolhem a gente e não nós que os escolhemos e um livro surpreendente me escolheu, um autor que nunca tinha ouvido falar. chama-se dean vincent carter, escreveu a mão do diabo. eu não sei se estou influenciada pela quantidade de mosquitos na cidade, mas o livro me marcou. trata-se de um jornalista que resolve investigar a história de um super mosquito mutante. parece bobo, mas não é. tem suspense, mistério e uma boa dose de sangue (por motivos óbvios). mas o fato é que estamos numa fase de muito mosquitos por aqui e o livro tem bastante informação a respeito hahhaha. de qualquer forma, recomendo, tem elementos de uma boa história, e a cada página uma surpresa. depois peguei dois livros que fizeram o papel deles e só. um se chama você está sendo vigiado, de greg hurvitz e o outro é não conte a ninguém, de harlann coben. o primeiro é um suspense bem trabalhado, bem estruturado, conta a história de um cara que começa a receber imagens dele mesmo em casa. dai começa a investigar e é enrolado numa teia de conspiração bem criativa. com um protagonista inacreditavelmente burro. tudo bem que entre as regras do bom suspense, o herói tem que se fuder muito na história, mas o autor exagerou na dose de idiotice do cara. na verdade soluções simples para questões surreais. gostei, mas acho que fica a desejar. final previsível. e não conte a ninguém é ainda pior, o protagonista não pode ser mais ingênuo. ô minha gente...além disso em muitos momentos parece que o autor escreveu sem pesquisar sobre o que falava. por exemplo: um collie não tem pelos nos olhos...enfim, ele conta a história de um cara que perdeu a esposa 11 anos atrás e agora parece que ela tá de volta. enredo e argumento bons. final surpreendente. dois livros da editora arqueiro. são leves, mas não me apaixonei. outro livro das férias foi cuco, da julia grouch. cumpriu bem o papel a que veio. conta a história de duas amigas. uma tá fudida e a outra resolve ajudar estendendo a mão, o problema que a amiga pega a mão, o braço, a casa, o marido, a vida da outra. tem momentos que dá muita raiva e a protagonista demora a resolver tudo. além disso o marido é um bundão. mas é livro de ler numa sentada. depois passei aos livros do walking dead. na verdade a ascensão do govenador li ano passado, desta vez foi a continuação, o caminho para woodbury. gosta de walking dead? então vai gostar do livro. em alguns momentos os autores parecem de saco cheio para escolher as palavras, por exemplo, o bob tava sempre tomando um gole saudável de bebida...a mocinha que deveria ser a heronia é uma idiota. deveria ter morrido. mas não morreu e só fez merda. o negão josh poderia ter tido outro final. enfim, opiniões. o livro é bom. em relação ao primeiro tem mais ação e suspense. o primeiro é mais elucidativo. e de todos os que me acharam, amor a primeira vista mesmo foi com a sombra do vento, de carlos ruiz zafón. um menino conhece o cemitérios dos livros esquecidos e é encontrado por um escritor que passa a rondar a vida dele. passado e presente se misturam. é uma história de amor, com fantasmas, medo, suspense, romance e personagens encantadores. eu agora estou lendo o pesadelo, do lars kepler, a mesma dupla que escreveu o hipnotista. tá no começo, mas já tô gostando.
é isso. ficam as dicas. "guardei a flor no bolso do casaco e me afastei, incapaz de dar o adeus que havia carregado até ali", carlos zafón.

Nenhum comentário:

Postar um comentário