Follow by Email

sexta-feira, 10 de maio de 2013

O LOUCO


ele olha pela janela do quinto andar. o pensamento se perde entre as árvores frondosas que escondem o prédio do sanatório dos olhos das ditas pessoas normais. o asilo, o depósito de rejeitados, o lugar carcomido pelo tempo mantém um inverno eterno. 
velho e doente, o homem sente frio. está louco e sujo. uma mosca passa por ali e vai para bem longe. até ela o despreza.
o cheiro de mijo e excrementos arde os pulmões. a insanidade que mora embaixo do teto podre sai das entranhas daqueles esquecidos. e ele ali, olhando pela janela. tenta sentir a brisa fraca que acaricia as folhas das árvores. quer ter asas. quer voar. como a mosca e seu desprezo. sobe então no parapeito e se vai. ninguém reclama. nem do louco, nem da mosca nem da janela quebrada. 





Um comentário: